IPv6: desafios da migração

IPv6: desafios da migração

O ESGOTAMENTO DO PROTOCOLO IPV4 BATE À PORTA DOS PROVEDORES DE ACESSO À INTERNET

No primeiro trimestre de 2017, o Brasil cresceu 29% na adoção de IPv6, de acordo com o ranking da Akamai. Também este ano, segundo medições feitas pelo Google, o Brasil chegou 20,17% de tráfego de dados em IPv6 – o que, pelos critérios da empresa, classifica o país como “um dos locais onde o IPv6 está amplamente implantado, com poucos problemas de conexão com os sites Google, comparado a outros países do mundo”.

Porém, muitos provedores regionais de acesso à internet ainda não despertaram para o fato de que o esgotamento do IPv4 foi oficialmente anunciado, em fevereiro, pelo Registro de Endereços da Internet para a América Latina e o Caribe (Lacnic) e pelo Registro.br. Hoje, já está em vigor a determinação de que apenas as novas empresas que não receberam nenhuma alocação prévia poderão solicitar, apenas uma vez, uma alocação de tamanho máximo /22 e mínimo de /24.

O NIC.br vem dando todo o apoio no esclarecimento de questões técnicas para a migração. Para se aprofundar nesse tema, consulte a página do IPv6 no Registro.br ou mande e-mail para ipv6@nic.br.

 

Veja abaixo alguns equipamentos disponíveis na TECWI que trabalham com suporte IPV6

Roteador Wireless com IPv6 – IWR 1000N

Roteador Wireless
com IPv6 – IWR 1000N

Roteador Wireless com IPv6 – IWR 3000N

Roteador Wireless
com IPv6 – IWR 3000N

Veja também: