Blog Tecwi

Vivo também coloca limite de franquia na fibra ótica

Vivo também coloca limite de franquia na fibra ótica

Antes mesmo de concluir a fusão com a GVT, a Vivo anunciou neste domingo (10) que também terá franquia de velocidade nos planos de fibra ótica. Em fevereiro, a operadora havia anunciado que apenas planos com tecnologia DSL teriam o limite de tráfego, mas não demorou muito e chegou a vez do Vivo Fibra.

Veja as franquias:

  • Vivo Fibra 15 Mb/s: 120 GB
  • Vivo Fibra 25 Mb/s: 130 GB
  • Vivo Fibra 50 Mb/s: 170 GB
  • Vivo Fibra 100 Mb/s: 220 GB
  • Vivo Fibra 200 Mb/s: 270 GB
  • Vivo Fibra 300 Mb/s: 300 GB

Observe que, agora, existem novas velocidades no Vivo Fibra. Todos os planos da GVT serão batizados como “Vivo Fibra”, mesmo tendo a última milha entregue por par de cobre em tecnologia ADSL2+ ou VDSL2+. A operadora alega que faz uso da tecnologia Fiber to the Curb (FTTC), a mesma usada pela Live TIM que leva a fibra ótica até um armário mais próximo ao cliente.

Segundo os descritivos de plano, há outra diferenciação importante: em planos com velocidades de até 50 Mb/s, a operadora informa que ocorrerá bloqueio após uso integral da franquia de dados, mas, promocionalmente, poderá efetuar redução de velocidade até o próximo mês. Para as velocidades de 100 Mb/s em diante, o contrato é claro ao afirmar que haverá bloqueio da conexão até o próximo ciclo de faturamento.

Os descritivos ainda não informam nada sobre a existência de franquias adicionais. Foram divulgados termos promocionais, que informam que o cliente estará isento dessas franquias até o dia 31/12/2016.

Internet chega pela 1ª vez a mais de 50% das casas no Brasil, mostra IBGE

Internet chega pela 1ª vez a mais de 50% das casas no Brasil, mostra IBGE

Dados de 2014 mostram que 36,8 milhões de lares já tinham conexão.
Smartphone virou aparelho nº 1 para acessar internet no Brasil.

Mais da metade dos domicílios brasileiros passou a ter acesso à internet em 2014, aponta a Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta- feira (6).

Os dados referentes a 2014 mostram que 36,8 milhões de casas estavam conectadas, o que representa 54,9% do total. Em 2013, esse índice era de 48%.

O IBGE indicou ainda que a quantidade de internautas chegou a 54,4% das pessoas com mais de 10 anos em 2014. São 95,4 milhões de brasileiros com acesso à internet.

Essa dupla ultrapassagem vem de uma mudança de metodologia do IBGE. Apenas as conexões feitas com computador eram registradas até a Pnad de 2013, quando o instituto passou a contabilizar acessos com smartphones, tablets, TVs e outros dispositivos.

 

Smartphones x Computadores
Essa alteração permitiu captar o avanço de outros aparelhos. A inclusão digital foi promovida pela adoção do celular como aparelho preferencial para navegar. A cada cinco casas, quatro usam telefone móvel para se conectar.

Até 2013, esse posto era dos computadores, que caíram em 2014 para a segunda colocação: estavam presentes em 76,6% das casas, percentual que era de 88,4% no ano anterior.

Segundo o IBGE, apesar de ter ampla presença nos lares brasileiros, os PCs estão sendo deixados de lado. De 2013 para 2014, caiu de 78,3 milhões para 76,9 milhões o número de pessoas que usavam computadores para acessar a internet.

Na segmentação conforme a renda, todas as classes estavam acima da média nacional. Estava abaixo desse patamar apenas as residências cujos moradores tinham renda de até um salário (de R$ 724, em 2014).

O maior índice de uso da internet foi encontrado entre as casas com renda per capita de mais de cinco salários mínimos: 88,9% eram conectadas.

Satélite brasileiro de banda larga será lançado este ano

Satélite brasileiro de banda larga será lançado este ano

A presidente Dilma Rousseff visitou ontem (23/03/2016) o Centro Provisório de Controle do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), localizado em Brasília. No local, Dilma conheceu as instalações onde estão sendo montados equipamentos de controle do satélite que vai levar internet banda larga de alta velocidade (54 gigabits por segundo) a várias regiões do Brasil e confirmou seu lançamento para este ano – sem cravar a data.

Segundo a presidente, o satélite é “fundamental para que possamos levar internet banda larga de qualidade aos locais mais distantes do País”. O satélite passa agora por testes de resistência na Thales Alenia Space, na França. Representantes da Telebras explicaram como a tecnologia vai funcionar e ressaltaram que um centro auxiliar de controle será instalado em terreno da Marinha na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.

O satélite ficará em órbita a 26 mil km de distância da Terra e oferecerá cobertura a todo território brasileiro, tentando melhorar a qualidade da internet. Jorge Bittar, presidente da Telebras, informou que a construção do satélite envolveu profissionais brasileiros na França e adiantou os planos de desenvolver um segundo satélite, desta vez com grande parte das peças e equipamentos produzidos no Brasil.

O projeto tem custo estimado em R$ 1,7 bilhão e pesa 5,8 toneladas. Além do centro de operações, a Telebras está trabalhando em uma licitação para fornecimento e instalação de cinco gateways, para processar o tráfego de internet, no Rio de Janeiro, Florianópolis, Salvador e Campo Grande.

Internet banda larga terá limite de uso de dados em 2017

Internet banda larga terá limite de uso de dados em 2017

A partir do próximo ano, serviço de internet oferecido pela Vivo, a exemplo da Net e da Oi, não será mais por velocidade, mas sim por volume de dados.

A Vivo já havia anunciado em fevereiro deste ano, a utilização de uma franquia com limite no uso de dados móveis na internet banda larga. Desta forma, os usuários da internet do tipo ADSL, a mais comum no Brasil, já devem ir se acostumando com o controle do uso de dados em casa. Até 2017, todos os planos de internet fixa da Vivo, a exemplo da Oi e da Net, deverão ser oferecidos com limite de dados, diferente do modelo adotado por algumas empresas atualmente, em que os planos são regulados por velocidade, sem um volume máximo de tráfego permitido.

Em poucas palavras, os clientes destas três operadoras de telecomunicações, que utilizam a internet por meio de uma linha telefônica fixa, não terão um serviço de internet oferecido por velocidade, mas sim por volume de dados.

 

Péssima notícia para quem gosta de assistir vídeos de alta resolução no Youtube, é fã de serviços de streaming ou gosta de atualizar jogos eletrônicos. Tudo isso consome gigabytes e mais gigabytes de dados. No caso em que vários membros da família utilizam a internet, cada aparelho conectado também reduz a franquia.

O usuário poderá navegar com a internet contratada até o tráfego de dados atingir o seu limite. Após isso, terá a velocidade bastante reduzida, isso se não for cancelada até o fim do mês.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou o plano com franquia, no entanto as operadoras precisam seguir algumas regras. As empresas deverão obrigatoriamente informar o usuário sobre o consumo mensal e alertar quando a franquia se aproximar do limite contratado.

Esta restrição não é novidade para os usuários da Net que adota a franquia de dados desde que começou a oferecer o serviço de banda larga. Quando o limite é ultrapassado, o usuário tem que navegar com a velocidade de internet de 2 Mbps. Na Oi, que também prevê em contrato uma franquia de consumo de dados mensal, a velocidade, quando esse limite é atingido, pode chegar a 300 Kbps.

Conforme a Net relatou a Zero Hora, apenas clientes que utilizam a conexão de forma muito distinta da maioria, geralmente com aplicações profissionais, ultrapassam o volume de dados disponível mensalmente.

Já a Oi diz que não pratica o corte da navegação na internet após o fim da franquia, mas que prevê a possibilidade da redução da velocidade do serviço.

Segundo a Vivo, o novo plano só se encaixa para os novos clientes de banda larga fixa da Vivo e não haverá cobrança pelo excedente uso de dados até 31 de dezembro. Quem contratou o serviço antes de fevereiro deste ano, não deve ser afetado, a não ser que mude a sua velocidade de conexão.

 

Veja qual largura do canal usar no roteador para melhorar o Wi-Fi

Veja qual largura do canal usar no roteador para melhorar o Wi-Fi

A largura do canal do roteador, ou a bandwidth, como também é conhecida, pode ser de 20 MHz ou 40 MHz. A configuração depende de algumas especificações e dos dispositivos conectados, e pode ajudar a melhorar o desempenho e a velocidade do Wi-Fi.

Confira abaixo qual o papel da largura do canal, em que situações é melhor usar a configuração de 20 MHz ou 40 MHz e como fazer a troca no roteador. Entenda como tudo funciona e garanta o melhor desempenho para sua rede Wi-Fi.

Continue Lendo →

Regras para incentivar consumidor a produzir energia entram em vigor

Regras para incentivar consumidor a produzir energia entram em vigor

Energia em excesso vai poder ser trocada por créditos das distribuidoras.
Eletricidade precisa vir de fonte renovável, como painéis solares.

 

Entram em vigor nesta terça-feira (1º) as novas regras que, segundo o governo federal, devem incentivar e facilitar a instalação de micro geradores de energia em casas, comércios e fábricas no Brasil.

A resolução permite que os consumidores que tiverem esses equipamentos possam não só usar a eletricidade que produzirem, mas também jogar o excedente na rede das distribuidoras e ganhar crédito por isso. Esses créditos, depois, podem ser trocados por descontos nas contas de luz.

Para ter direito à compensação, é preciso que o consumidor produza energia renovável, por meio de painéis solares ou mini geradores eólicos, por exemplo.

Existem hoje no país 1.930 unidades (casas ou prédios) com esse tipo de instalação. O governo diz que as novas regras simplificam os procedimentos para registro e, por isso, espera um aumento no número de consumidores gerando energia. A expectativa é que cheguem a 1,2 milhões até 2024.

Como funciona
Um consumidor que possuir micro gerador e produzir, em um determinado mês, mais energia do que consome, receberá um crédito que pode depois ser usados para abater do valor de uma conta de luz. A nova norma também amplia, de 36 para 60 meses, o prazo de validade desses créditos.

O consumidor também vão poder usar os créditos para reduzir a conta de luz de um outro imóvel, desde que esteja em seu nome e na mesma área de atuação da distribuidora.

A norma também permite que o sistema seja usado em condomínios, com a energia e os créditos repartidos entre os vários condôminos. E a criação de cooperativas para instalação de micro geradores, com os cooperados sendo beneficiados pela eletricidade produzida.

Outra novidade é que o prazo para que as distribuidoras façam a conexão de micro geradoras às suas redes caiu de 82 dias para 34 dias. A partir de 2017, o andamento dos pedidos de ligação vão poder ser acompanhados pela internet.

“A geração de energia perto do local de consumo traz uma série de vantagens, tais como redução dos gastos dos consumidores, economia dos investimentos em transmissão, redução das perdas nas redes e melhoria da qualidade do serviço de energia elétrica”, diz o Ministério de Minas e Energia, em nota.

Clique aqui e veja os Painéis Solares disponíveis na TECWI

Cabo de Fibra Óptica da Noruega chega a Manaus

Cabo de Fibra Óptica da Noruega chega a Manaus

Manaus (AM) – Após 37 dias de navegação ininterrupta pelo Mar do Norte, pelo Oceano Atlântico e pelo Rio Amazonas, o Navio Layla atracou, na manhã de segunda-feira, dia 15 de fevereiro, em Manaus, trazendo 390 toneladas de cabo de fibra óptica, para a continuidade do Programa Amazônia Conectada.
O Comandante Militar da Amazônia compareceu aos Super Terminais de descarga do Porto de Chibatão, para acompanhar os trabalhos de transbordo do material. O pareamento da embarcação de lançamento com o navio que trouxe o cabo durou aproximadamente quatro horas.
Os 275 km de cabo serão lançados no trecho entre as cidades de Coari e Tefé, que fazem parte do Programa.

 

O Amazônia Conectada teve seu lançamento em 2015, no Comando Militar da Amazônia (CMA), e seu principal objetivo é ligar, comInternet banda larga, toda a Amazônia Ocidental à Capital do Estado do Amazonas e, consequentemente, ao restante do Brasil. “Com a fibra ótica, inúmeras vantagens surgirão, tanto para nós militares, que somos responsáveis pela manutenção da segurança nas fronteiras, como também para a população civil, que terá acesso a serviços como educação a distância, expansão e melhoria das pesquisas do nosso Pró-Amazônia e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), além de promover a inclusão digital das populações ribeirinhas e dos povos indígenas”, comentou o Comandante Militar da Amazônia, General de Exército Guilherme Cals Theophilo Gaspar de Oliveira.

 

Programa Amazônia Conectada
O Projeto do Exército tem por objetivo levar fibra óptica para interior do Amazonas, possibilitando a oferta, à população do interior do Estado, de uma série de serviços de rede de dados com a mesma qualidade da Capital (Manaus), como a Internet, Telemedicina, a Universidade à distância, a interconexão entre Saúde, a Segurança pública, além de Trânsito e Turismo.

 

Fotos: CMA

Fonte:

Sem cumprir meta de qualidade, Vivo engana consumidor com pacote de fibra ótica

Sem cumprir meta de qualidade, Vivo engana consumidor com pacote de fibra ótica

Empresa recebeu 5.970 reclamações no Procon-SP sobre descumprimento de planos contratados e qualidade do serviço

 

Apesar dos planos da Anatel(Agência Nacional de Telecomunicações), o serviço de internet fixa e móvel no Brasil ainda é alvo das principais reclamações dos consumidores. A Vivo, uma das empresas que oferece o serviço, tem recebido reclamações de clientes que se sentem enganados por contratar pacotes de fibra ótica e não recebem a velocidade garantida em contrato. Usuários afirmam que a velocidade do plano contratado, especialmente no caso da fibra ótica, é baixa e fica ainda pior quando quando o  Wi-Fi é acionado.

De acordo com o Procon de São Paulo, a empresa recebeu 5.970 reclamações relacionadas à qualidade do serviço e ao descumprimento do serviço contratado. Somente nos últimos 60 dias, foram 765 reclamações nestas áreas. A operadora recebeu outras 468 mensagens negativas na Proteste, Associação de Consumidores, em 2015.

As operadoras brasileiras não cumprem nem 60% das metas estabelecidas pela Anatel quanto ao cumprimento da velocidade contratada. A Vivo obteve um resultado ainda pior, cumprindo apenas 44,5% do planejado. A Proteste realizou diversos testes que mostraram que a velocidade da internet ficou abaixo do contratado em 73% dos casos.

Clientes da Vivo reclamam do pacote de fibra ótica
Reprodução: Clientes da Vivo reclamam do pacote de fibra ótica

A Anatel exige que os provedores de internet ofereçam, no mínimo, 80% da velocidade média contratada pelo consumidor. A agência incentiva os usuários a entrarem em contato com as operadoras para resolver problemas de qualidade do serviço. Caso a empresa não resolva a falha, o consumidor pode entrar em contato com a Anatel por meio do site ou do telefone 1331.

A Vivo acumula reclamações no Procon-SP
Reprodução: A Vivo acumula reclamações no Procon-SP

Por meio de nota, a Telefônica Vivo informou não ter registro de problema generalizado sobre a velocidade do serviço de fibra ótica. A empresa informa ainda ter o menor índice relativo de atendimentos nos Procons do País. São, garante, 0,16% dos 103 milhões de acessos da operadora. A fonte é a Anatel/Teleco, divulgada em novembro.