Blog Tecwi

Grupo furta equipamentos de torre e deixa Santarém sem sinal de internet

Grupo furta equipamentos de torre e deixa Santarém sem sinal de internet

Quadrilha de cinco homens foi presa em flagrante neste sábado (2).
Câmera registrou a ação dos bandidos; prejuízo pode ser maior que R$ 3 mil.

Cinco homens foram presos pela Polícia Militar após furtarem equipamentos de uma torre de transmissão de internet, por volta de 1h30, deste sábado (2), na Serra do Saubal, no bairro Nova República, em Santarém, oeste do Pará. Com a ação dos criminosos, o município ficou sem conexão de internet e telefonia por várias horas.

As câmeras de segurança interna da base registraram o exato momento em que o grupo de assaltantes chega ao local e retira o material que fornece banda larga, como cabos de fibra óptica, baterias e outros cabos. A ação foi interrompida com a chegada da equipe da Polícia Militar, que através das imagens do circuito de monitoramento da empresa conseguiu capturar os assaltantes.

O delegado de Polícia Civil,  Germano do Vale informou que por se tratar de furto  qualificado noturno com arrombamento, não cabe fiança. “Eles já foram apresentados aqui na Seccional, vamos fazer o lavramento do auto flagrancial, e nesse caso tem um agravante por terem cortado o sinal de telefonia, tirado as empresas de telefonia do ar desde a madrugada, alguns sistemas operacionais foram afetados como o da Celpa. Eles serão autuados, e ficarão à disposição da justiça”.

De acordo com o provedor de internet, os equipamentos roubados juntos valem R$ 3 mil, mas estima-se que o prejuízo pode ser maior devido a danificação nos cabos de fibra óptica.

Cabos de rede influenciam na velocidade da internet? Entenda!

Cabos de rede influenciam na velocidade da internet? Entenda!

Conheça mais sobre os tipos de cabos de rede, as diferenças entre eles e como eles influenciam na velocidade de sua internet.

Com a atualização constante das tecnologias disponíveis no mercado de TI e desenvolvimento de softwares, cada componente pode influenciar diretamente na qualidade da conexão e na transmissão de dados de sua rede.

 

Cabos de rede

Os cabos de rede são classificados em categorias, que vão do 1 ao 7, de acordo com sua frequência, característica essa que determina a taxa máxima de transferência de dados suportada por eles e sua taxa de interferência.

 

Cat1 ao 4

Com exceção dos cabos Cat3, ainda utilizados em redes de telefonia fixa, os demais estão obsoletos e sequer são mais reconhecidos pela TIA (Telecommunications Industry Association) ou fabricados.

 

Cat5

Apesar de ser o mais antigo, esse o modelo é o mais comum e barato entre os cabos de rede disponíveis no mercado. Ele possui os requisitos mínimos para suportar velocidades de transferência de dados entre 10 e 100 Mbps e frequências de até 100 MHz, sendo compatível com redes mais antigas, sobretudo as domésticas.

 

Cat5e

A versão mais moderna e robusta dos cabos do modelo acima sustenta a transferência de informações em velocidades superiores aos 1 Giga (1.000 Mbps) em frequências de até 150 MHz, com mais rapidez e menos interferências, dando maior estabilidade ao fluxo de dados em conexões mais velozes, sem perda de sinal. Por serem melhores, são mais fáceis de encontrar no mercado do que os Cat5.

 

Cat6

Essa é a versão mais top dos cabos de rede que irá, em um futuro próximo, substituir os cabos de rede Cat5e. Mas ainda é pouco utilizada, por nem sempre ser necessária, principalmente em residências.

O Cat6 suporta velocidades de dados de até 10 Gigabits (10.000 Mbps) e frequências de até 250 MHz, com pouquíssimas ocorrências de distorções na transmissão. Ele é ideal para locais onde a distância do cabeamento seja maior que 10 metros, mas com limite de 100m ou 55m, em casos de redes de 10G.

 

Cat6a

A categoria 6a ou ampliada (augmented) suporta frequências de até 500 MHz e possui uma modulação de sinal para evitar perdas e interferências durante a transmissão de dados.

 

Cabos de rede externos

Enquanto os cabos domésticos sofrem com poucas interferências na transmissão do sinal, os cabos de rede externos, que ficam nos postes, sofrem muitos ruídos durante seu trajeto.

Para minimizar isso, apesar de ainda existirem, os cabos coaxiais analógicos foram substituídos pelos cabos de par trançado, fabricados com fios de cobre entrelaçados e com camada isolante plástica, para oferecer maior resistência contra interferências eletromagnéticas.

Esses cabos de rede podem contar com blindagem (STP) para locais com grandes níveis de ruídos ou sem (UTP), tipo mais comum utilizado em redes de computadores.

 

Wireless

Atualmente, as diferenças entre a qualidade de transferência de dados via cabos de rede e por wireless são bem pequenas, mesmo os cabos sendo mais seguros, rápidos e com menores problemas relacionados à interferências ou queda do sinal.

Porém, as redes cabeadas limitam o acesso à internet e a mobilidade dos dispositivos, além de gerar custos de instalação.

Em contrapartida, o sinal wireless, por ser digital, sofre muitas interferências em seu percurso, ocasionando perda de velocidade considerável e repetições de informações sem necessidade, além de demoras na comunicação.

 

Qual é melhor?

Essa é a grande questão atual!

Para uma rede doméstica ou de uma pequena empresa, com poucas máquinas e servidores, a troca ou atualização dos cabos de rede de curta distância pouco impactará em melhorias significativas de velocidade de transmissão.

Em grandes empresas, com fluxo enorme de informações e, sobretudo, com transferências constantes de arquivos entre computadores, a atualização dos cabos proporcionará ganho de velocidade e menos interferência no sinal.

Mas, para que isso funcione bem e com qualidade, seu equipamento roteador e as placas de rede das máquinas também precisam acompanhar o nível e a compatibilidade de atualização para que tudo funcione em harmonia, de maneira eficiente.

 

BRASIL INTELIGENTE ALOCA R$ 400 MILHÕES PARA GARANTIR INVESTIMENTOS DE PEQUENO PROVEDOR

O Ministério das Comunicações anunciou hoje o programa Brasil Inteligente, uma soma de programas para dar continuidade ao Programa Banda Larga para Todos. Entre as metas anunciadas (sem a explicitação dos recursos), foi feita a confirmação do Fundo Garantidor para o pequeno provedor de internet, no valor de R$ 400 milhões, que poderão ser usados para a interiorização da construção da rede de banda larga em 1,18 mil municípios brasileiros com menos de 100 mil habitantes.Segundo o ministro André Figueiredo, R$ 50 milhões para o fundo deste ano virão de crédito suplementar ao orçamento do ministério.

Continue Lendo →

ANATEL PUBLICA CAUTELAR COM SUSPENSÃO DO FIM DA FRANQUIA DE DADOS POR 90 DIAS

ANATEL PUBLICA CAUTELAR COM SUSPENSÃO DO FIM DA FRANQUIA DE DADOS POR 90 DIAS

A Superintendência de Relações com os Consumidores (SRC) publicou nesta segunda-feira, 18, o Despacho nº 1/2016/SEI/SRC determinando cautelarmente que as prestadoras de banda larga fixa se abstenham de adotar práticas de redução de velocidade, suspensão de serviço ou de cobrança de tráfego excedente após o esgotamento da franquia, ainda que tais ações encontrem previsão em contrato de adesão ou em plano de serviço

 

A suspensão só poderá ser suspensa com o cumprimento cumulativo das seguintes condições ou ficará valendo por 90 dias:

  • comprovar, perante a Agência, a colocação ao dispor dos consumidores, de forma efetiva e adequada, de ferramentas que permitam, de modo funcional e adequado ao nível de vulnerabilidade técnica e econômica dos usuários: o acompanhamento do consumo do serviço; a identificação do perfil de consumo; a obtenção do histórico detalhado de sua utilização; a notificação quanto à proximidade do esgotamento da franquia; e a possibilidade de se comparar preços
  • informar ao consumidor, por meio de documento de cobrança e outro meio eletrônico de comunicação, sobre a existência e a disponibilidade das ferramentas disponíveis acima
  • explicitar, em sua oferta e nos meios de propaganda e de publicidade, a existência e o volume de eventual franquia nos mesmos termos e com mesmo destaque dado aos demais elementos essenciais da oferta, como a velocidade de conexão e o preço;
  • emitir instruções a seus empregados e agentes credenciados envolvidos no atendimento em lojas físicas e demais canais de atendimento para que os consumidores sejam previamente informados sobre esses termos e condições antes de contratar ou aditar contratos de prestação de serviço de banda larga fixa, ainda que contratados conjuntamente com outros serviços.

As práticas de redução de velocidade, suspensão de serviço ou de cobrança de tráfego excedente após o esgotamento da franquia somente poderão ser adotadas após noventa dias da publicação de ato da SRC que reconheça o cumprimento das condições fixadas.

A SRC também fixou multa diária de R$ 150 mil reais por descumprimento dessa determinação, até o limite de R$ 10 milhões de reais.

A determinação foi destinadas as empresas Algar Telecom S.A, Brasil Telecomunicações S.A, Cabo Serviços de Telecomunicações Ltda, Claro S.A., Global Village Telecom Ltda, OI Móvel S.A., Sky Serviços de Banda Larga Ltda, Telefônica Brasil S.A, Telemar Norte Leste S.A, TIM Celular S.A., Sercomtel S.A Telecomunicações e OI S.A.

Mudança 

A cautelar da Anatel é uma completa mudança de postura  adotada após ofício enviado pelo Ministério das Comunicações à Anatel, no dia 14 de abril, pedindo que a agência tomasse providências contra o corte de franquia na banda larga fixa.

A providência foi adotada depois que a Telefônica Vivo passou a avisar os seus clientes de que iria adotar essa iniciativa. Oi e NET há muito já tem em seus contratos o corte de consumo com o “estouro” da franquia.

Há alguns  meses, a Telefônica  Vivo começou a adotar essa medida pelos estados do Sul do país, e o Tele.Síntese chegou a ouvir representantes da Anatel sobre o tema, que disseram não ver sentido em interver nessa questão, até porque este seria um serviço privado.

Os órgãos de defesa do consumidor como Proteste e Idec mobilizaram usuários e ingressaram na justiça e agora a Agência adota esta cautelar.  (com assessoria de imprensa). 

Vivo também coloca limite de franquia na fibra ótica

Vivo também coloca limite de franquia na fibra ótica

Antes mesmo de concluir a fusão com a GVT, a Vivo anunciou neste domingo (10) que também terá franquia de velocidade nos planos de fibra ótica. Em fevereiro, a operadora havia anunciado que apenas planos com tecnologia DSL teriam o limite de tráfego, mas não demorou muito e chegou a vez do Vivo Fibra.

Veja as franquias:

  • Vivo Fibra 15 Mb/s: 120 GB
  • Vivo Fibra 25 Mb/s: 130 GB
  • Vivo Fibra 50 Mb/s: 170 GB
  • Vivo Fibra 100 Mb/s: 220 GB
  • Vivo Fibra 200 Mb/s: 270 GB
  • Vivo Fibra 300 Mb/s: 300 GB

Observe que, agora, existem novas velocidades no Vivo Fibra. Todos os planos da GVT serão batizados como “Vivo Fibra”, mesmo tendo a última milha entregue por par de cobre em tecnologia ADSL2+ ou VDSL2+. A operadora alega que faz uso da tecnologia Fiber to the Curb (FTTC), a mesma usada pela Live TIM que leva a fibra ótica até um armário mais próximo ao cliente.

Segundo os descritivos de plano, há outra diferenciação importante: em planos com velocidades de até 50 Mb/s, a operadora informa que ocorrerá bloqueio após uso integral da franquia de dados, mas, promocionalmente, poderá efetuar redução de velocidade até o próximo mês. Para as velocidades de 100 Mb/s em diante, o contrato é claro ao afirmar que haverá bloqueio da conexão até o próximo ciclo de faturamento.

Os descritivos ainda não informam nada sobre a existência de franquias adicionais. Foram divulgados termos promocionais, que informam que o cliente estará isento dessas franquias até o dia 31/12/2016.

Internet chega pela 1ª vez a mais de 50% das casas no Brasil, mostra IBGE

Internet chega pela 1ª vez a mais de 50% das casas no Brasil, mostra IBGE

Dados de 2014 mostram que 36,8 milhões de lares já tinham conexão.
Smartphone virou aparelho nº 1 para acessar internet no Brasil.

Mais da metade dos domicílios brasileiros passou a ter acesso à internet em 2014, aponta a Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta- feira (6).

Os dados referentes a 2014 mostram que 36,8 milhões de casas estavam conectadas, o que representa 54,9% do total. Em 2013, esse índice era de 48%.

O IBGE indicou ainda que a quantidade de internautas chegou a 54,4% das pessoas com mais de 10 anos em 2014. São 95,4 milhões de brasileiros com acesso à internet.

Essa dupla ultrapassagem vem de uma mudança de metodologia do IBGE. Apenas as conexões feitas com computador eram registradas até a Pnad de 2013, quando o instituto passou a contabilizar acessos com smartphones, tablets, TVs e outros dispositivos.

 

Smartphones x Computadores
Essa alteração permitiu captar o avanço de outros aparelhos. A inclusão digital foi promovida pela adoção do celular como aparelho preferencial para navegar. A cada cinco casas, quatro usam telefone móvel para se conectar.

Até 2013, esse posto era dos computadores, que caíram em 2014 para a segunda colocação: estavam presentes em 76,6% das casas, percentual que era de 88,4% no ano anterior.

Segundo o IBGE, apesar de ter ampla presença nos lares brasileiros, os PCs estão sendo deixados de lado. De 2013 para 2014, caiu de 78,3 milhões para 76,9 milhões o número de pessoas que usavam computadores para acessar a internet.

Na segmentação conforme a renda, todas as classes estavam acima da média nacional. Estava abaixo desse patamar apenas as residências cujos moradores tinham renda de até um salário (de R$ 724, em 2014).

O maior índice de uso da internet foi encontrado entre as casas com renda per capita de mais de cinco salários mínimos: 88,9% eram conectadas.

Satélite brasileiro de banda larga será lançado este ano

Satélite brasileiro de banda larga será lançado este ano

A presidente Dilma Rousseff visitou ontem (23/03/2016) o Centro Provisório de Controle do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), localizado em Brasília. No local, Dilma conheceu as instalações onde estão sendo montados equipamentos de controle do satélite que vai levar internet banda larga de alta velocidade (54 gigabits por segundo) a várias regiões do Brasil e confirmou seu lançamento para este ano – sem cravar a data.

Segundo a presidente, o satélite é “fundamental para que possamos levar internet banda larga de qualidade aos locais mais distantes do País”. O satélite passa agora por testes de resistência na Thales Alenia Space, na França. Representantes da Telebras explicaram como a tecnologia vai funcionar e ressaltaram que um centro auxiliar de controle será instalado em terreno da Marinha na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro.

O satélite ficará em órbita a 26 mil km de distância da Terra e oferecerá cobertura a todo território brasileiro, tentando melhorar a qualidade da internet. Jorge Bittar, presidente da Telebras, informou que a construção do satélite envolveu profissionais brasileiros na França e adiantou os planos de desenvolver um segundo satélite, desta vez com grande parte das peças e equipamentos produzidos no Brasil.

O projeto tem custo estimado em R$ 1,7 bilhão e pesa 5,8 toneladas. Além do centro de operações, a Telebras está trabalhando em uma licitação para fornecimento e instalação de cinco gateways, para processar o tráfego de internet, no Rio de Janeiro, Florianópolis, Salvador e Campo Grande.

Internet banda larga terá limite de uso de dados em 2017

Internet banda larga terá limite de uso de dados em 2017

A partir do próximo ano, serviço de internet oferecido pela Vivo, a exemplo da Net e da Oi, não será mais por velocidade, mas sim por volume de dados.

A Vivo já havia anunciado em fevereiro deste ano, a utilização de uma franquia com limite no uso de dados móveis na internet banda larga. Desta forma, os usuários da internet do tipo ADSL, a mais comum no Brasil, já devem ir se acostumando com o controle do uso de dados em casa. Até 2017, todos os planos de internet fixa da Vivo, a exemplo da Oi e da Net, deverão ser oferecidos com limite de dados, diferente do modelo adotado por algumas empresas atualmente, em que os planos são regulados por velocidade, sem um volume máximo de tráfego permitido.

Em poucas palavras, os clientes destas três operadoras de telecomunicações, que utilizam a internet por meio de uma linha telefônica fixa, não terão um serviço de internet oferecido por velocidade, mas sim por volume de dados.

 

Péssima notícia para quem gosta de assistir vídeos de alta resolução no Youtube, é fã de serviços de streaming ou gosta de atualizar jogos eletrônicos. Tudo isso consome gigabytes e mais gigabytes de dados. No caso em que vários membros da família utilizam a internet, cada aparelho conectado também reduz a franquia.

O usuário poderá navegar com a internet contratada até o tráfego de dados atingir o seu limite. Após isso, terá a velocidade bastante reduzida, isso se não for cancelada até o fim do mês.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou o plano com franquia, no entanto as operadoras precisam seguir algumas regras. As empresas deverão obrigatoriamente informar o usuário sobre o consumo mensal e alertar quando a franquia se aproximar do limite contratado.

Esta restrição não é novidade para os usuários da Net que adota a franquia de dados desde que começou a oferecer o serviço de banda larga. Quando o limite é ultrapassado, o usuário tem que navegar com a velocidade de internet de 2 Mbps. Na Oi, que também prevê em contrato uma franquia de consumo de dados mensal, a velocidade, quando esse limite é atingido, pode chegar a 300 Kbps.

Conforme a Net relatou a Zero Hora, apenas clientes que utilizam a conexão de forma muito distinta da maioria, geralmente com aplicações profissionais, ultrapassam o volume de dados disponível mensalmente.

Já a Oi diz que não pratica o corte da navegação na internet após o fim da franquia, mas que prevê a possibilidade da redução da velocidade do serviço.

Segundo a Vivo, o novo plano só se encaixa para os novos clientes de banda larga fixa da Vivo e não haverá cobrança pelo excedente uso de dados até 31 de dezembro. Quem contratou o serviço antes de fevereiro deste ano, não deve ser afetado, a não ser que mude a sua velocidade de conexão.