Blog Tecwi

BRASIL É PAÍS DA AL COM MAIS ESPECTRO LIBERADO PARA A BANDA LARGA MÓVEL

BRASIL É PAÍS DA AL COM MAIS ESPECTRO LIBERADO PARA A BANDA LARGA MÓVEL

Nenhum mercado latino-americano apresenta 35% do espectro radioelétrico sugerido pela UIT

Somente um país da América Latina outorgou mais de 30% do espectro radioelétrico sugerido pela União Internacional de Telecomunicações (UIT) para o ano de 2020. Trata-se do Brasil, que atualmente tem licenciado o equivalente a 31,1% dos 1.960 MHz que o organismo internacional sugeriu para o ano de 2020.

Alguns dos países que mais espectro têm outorgado são: Chile (24%), México (23,7%), Argentina (23,6%), Costa Rica (23,5%), e Nicarágua (21,4%), segundo levantamento feito pela 5G Americas. Em seu documento ITU-R M. 2078, a UIT sugeriu que para o ano de 2020 encontrem-se alocados 1.960 MHz de espectro radioelétrico, para um funcionamento ótimo das tecnologias IMT-2000 (comercialmente conhecida como 3G) e IMT-Advanced (4G).

“Um dos resultados de aumentar o licenciamento de espectro é o desempenho eficiente das redes móveis, especialmente em áreas urbanas densamente povoadas, onde as limitações de espectro se agravam com outras restrições, como as demoras nas autorizações para a instalação de nova infraestrutura, torres para antenas e outras tecnologias”, explicou Jose Otero, diretor da 5G Americas para América Latina e Caribe. (Com assessoria de imprensa)

Brasil e Peru firmam acordo para integração de redes de telecomunicações

Brasil e Peru firmam acordo para integração de redes de telecomunicações

O acordo entre Brasil e Peru para implantação de um “projeto piloto” de integração das redes de telecomunicação da região de fronteira entre os dois países foi publicado nesta sexta-feira, dia 16/06, no Diário Oficial da União, Decreto Legislativo nº87 de 2017. O acordo garante que as chamadas telefônicas entre as cidades de fronteira dos dois países sejam cobradas como ligações locais. O objetivo é minimizar o custo das ligações para os consumidores.

O “projeto piloto” será implantado nas cidades de Assis Brasil, do lado brasileiro, e de Iñapari e Iberia, do lado peruano. O acordo busca a integração da oferta de serviços de telecomunicações, permitindo a livre circulação de informação, com confiabilidade, segurança, baixo custo e velocidade na comunicação de dados.

Um aspecto relevante do acordo é a evitar o chamado “roaming inadvertido” (quando é cobrado o roaming internacional por conta da proximidade das antenas, mas efetivamente o usuário não saiu de sua cidade) o que, além dos custos, pode também causar interferências prejudiciais à qualidade do serviço.

Os dois países pretendem com o acordo impulsionar os programas que requerem tratamento integrado para atender as necessidades de populações vulneráveis; promover o desenvolvimento das zonas fronteiriças de Brasil e Peru; desenvolver a infraestrutura de integração física e conectividade, incluindo as telecomunicações e o roaming fronteiriço, promovendo empreendimentos públicos e privados e impulsionar o desenvolvimento das telecomunicações na fronteira brasileiro-peruana.

Há previsão de expansão do modelo para outras regiões fronteiriças e demais países da América do Sul com base nos resultados do “projeto piloto”. Já existem negociações para o estabelecimento de acordos parecidos com a Argentina, Uruguai e Paraguai. Está em negociação, ainda, o estabelecimento de acordo entre o Mercosul e a União Europeia que trata, entre outros assuntos, também da redução dos custos de roaming.

Os ministérios das Comunicações dos dois países e as agências reguladoras – Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Organismo Supervisor de Inversión Privada em Telecomunicaciones (Osiptel) ficarão responsáveis pela supervisão do acordo. Será criado um Comitê de Coordenação Técnica que vai definir os protocolos técnicos da integração.

Fonte: ANATEL

SEABORN TERMINA INSTALAÇÃO DE CABO SUBMARINO QUE LIGA BRASIL A ESTADOS UNIDOS

SEABORN TERMINA INSTALAÇÃO DE CABO SUBMARINO QUE LIGA BRASIL A ESTADOS UNIDOS

Foram colocados 10,8 mil quilômetros do cabo Seabras-1 no leito do Atlântico, um projeto de US$ 500 milhões.

A Seaborn Networks terminou de implantar no leito do Oceano Atlântico os 10,8 mil km do cabo submarino Seabras-1, que liga Brasil a Estados Unidos. A empresa puxou a terminação brasileira do cabo em Praia Grande (SP). De lá, o cabo será conectado a um backbone que o interconectará a data centers na região metropolitana de São Paulo.

Serão puxados também ramais para Fortaleza (CE), Rio de Janeiro (RJ) e Las Toninas (Argentina), ao Sul. A Norte, ramais chegam em diversas cidades dos EUA e do Canadá. O investimento da empresa na construção do cabo é de US$ 500 milhões.

A previsão da empresa é que o equipamento comece a operar no segundo semestre deste ano. Ao longo de sua extensão, o cabo tem 125 repetidores de sinal. Ele terá seis pares de fibra e capacidade inicial de transporte de 72 Tbps. A construção ficou a cargo da Alcatel-Lucent Submarine Networks.

Polícia apreende equipamentos furtados avaliados em mais de R$ 1 milhão

Polícia apreende equipamentos furtados avaliados em mais de R$ 1 milhão

Policiais da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados apreenderam, na tarde desta terça-feira, numa casa em Curicica, na Zona Oeste do Rio, equipamentos de empresas de telefonia furtados avaliados em mais de R$ 1 milhão.

Os equipamentos estavam numa casa em Curicica
Os equipamentos estavam numa casa em Curicica Foto: Divulgação

No local, foi presa em flagrante Gilda Marta de Matos, de 64 anos. Ela está sendo autuada por receptação qualificada. Segundo informações da DDSD, a suspeita já tem passagens pela polícia pelos crimes de estelionato, receptação e apropriação indébita.

Uma mulher foi presa e autuada por receptação qualificada
Uma mulher foi presa e autuada por receptação qualificada Foto: Divulgação
Parte dos equipamentos apreendidos pela DDSD
Parte dos equipamentos apreendidos pela DDSD Foto: Divulgação
Os equipamentos apreendidos foram furtados
Os equipamentos apre

Fonte: http://extra.globo.com

SP TERÁ NOVO BACKBONE LIGANDO 100 CIDADES

SP TERÁ NOVO BACKBONE LIGANDO 100 CIDADES

Iniciativa é resultado de parceria entre Agora Telecom, Hostfiber e Huawei

Um novo backbone óptico será construído no estado de São Paulo este ano, conectando 100 cidades. Mas não se trata de obra pública, e sim de iniciativa conjunta, de Agora Telecom, Hostfiber e Huawei.

A topologia do backbone é baseada em MPLS e foi projetada para operação de circuitos IP de alta capacidade em 10Gbps e 40Gbps. O desenvolvimento da solução aconteceu na China, com apoio das equipes de Engenharia e suporte local da AGORA Telecom e Hostfiber.

A AGORA Telecom fará a logística internacional e apoio na integração e suporte técnico de toda a solução.
Já a operação e comercialização de serviços de links de acesso à internet e ponto a ponto serão executados pela Hostfiber.

O primeiro lote de equipamentos do projeto chegou ao Brasil neste mês e a previsão de conclusão total do projeto é Julho de 2017. (Via PontoISP)

Ladrões roubam 2 km de fibra ótica que levaria internet à Campus Party, diz Telebras

Ladrões roubam 2 km de fibra ótica que levaria internet à Campus Party, diz Telebras

Responsável pela infraestrutra da Campus Party 2017, a Telebras foi alvo de um furto de 2 km de fibra ótica, que seriam usados para levar conexão de internet ao Pavilhão de Exposições do Anhembi, onde ocorre a 10ª edição do evento de tecnologia, ciência e cultura nerd.

O prejuízo nem foi tão grande financeiramente, mas no cronograma”, diz José Mendes, diretor da Telebras. Ele estimou as perdas em “coisa de R$ 1 mil”. O furto de cabos, feito na região do Pacaembu, atrasou a instalação de equipamentos de rede e fez, afirmou o executivo, a Telebras ter de trabalhar durante a madrugada. Segundo o executivo, o caso não foi registrado em nenhuma delegacia de polícia.

A organização da Campus Party afirmou que, apesar de ser um evento repleto de equipamentos eletrônicos potentes, os roubos e furtos não são comuns.

Francesco Faruggia, presidente da Fundação Campus Party, afirmou que no “ano passado, foi um só notebook roubado”. “Quando pensamos em fazer a Campus Party, disseram ‘não vai dar certo no Brasil’, e isso não aconteceu.”

O diretor da Campus Party, Tonico Novaes, no entanto, admitiu que a falha havia sido da organização. “Esse notebook que foi roubado foi culpa nossa”, disse ele, ao explicar que o campuseiro teve o notebook roubado do armário do próprio evento. Por isso, a organização pagou um novo aparelho.

Fonte: G1 – Por Helton Simões Gomes, G1